A História de Sète

Sète, que até 1928 se chamava "Cette", é uma das mais recentes cidades portuárias.
Graças à visão de Luís XIV, que pretendia ligar o Canal du Midi ao Mediterrâneo, o porto de Sète foi fundado em 29 de Julho de 1666.

História de Sète em poucas palavras...
A cidade de Sète nasceu em 1666 a partir de uma decisão real e da vontade de três homens:
Paul Riquet, Luís XIV e o Chevalier de Clerville.

Paul Riquet procurava uma saída para o Mediterrâneo para o Canal du Midi, que tinha começado a cavar. Luís XIV tinha encarregado o seu ministro Colbert de encontrar um porto para as galés reais e de criar um porto de exportação para os produtos do Languedoc.
Colbert confiou esta tarefa ao Chevalier de Clerville, que identificou o Cabo de Sète como o local mais adequado para a criação de um porto.
 

A população triplicou entre 1820 e 1870 e a urbanização estendeu-se até à Lagoa de Thau. O distrito por detrás do palácio consular (ex CCI) é testemunha deste período próspero.

No século XIX, o porto desenvolveu-se graças ao comércio de vinho, madeira, enxofre, cereais e ferro. Sète tornou-se o 1º porto de tanoaria do mundo.

Na década de 1850, os pescadores de Gaeta e Cetara, aldeias da costa de Amalfi, perto de Nápoles, deixaram a Itália, impelidos pela necessidade de encontrar uma vida melhor: instalaram-se no Sul de França, nomeadamente em Sète e Grau du Roi.

Nos anos 60, a pesca artesanal desenvolveu-se graças à chegada de novas técnicas trazidas pelos retornados do Norte de África.

Até à data, a cidade tem mais de 40.000 habitantes e foi urbanizada no norte e no Monte Saint Clair.

 

O bom plano: passear à descoberta do património de Sète, graças aos catorze painéis que o esperam em cada sítio emblemático da cidade.