Cultura e Património

Em Sète, há muitas praias, a de Valéry, Brassens, Varda... mas também há uma vida para além da praia. Uma vida de baraquette, no Mont Saint-Clair. Uma vida cheia de cultura, com a Chapelle du Quartier Haut, o MIAM e o Espaço Brassens. Um cultura também com bastante vida, desde o bairro dos pescadores de Pointe-Courte aos Halles centrales, onde podemos provar as tielles ou o marisco, e ver o regresso dos arrastões ao porto. Também existe uma cultura noturna, com o encantamento dos canais durante a noite ou o Théâtre de la Mer e as suas peças de teatro magníficas. Mais do que umas vistas, uma visão...  
Em Sète, um estilo de vida ao ritmo dos locais com um gosto requintado. Venha fazer uma escapadinha única, intemporal.  Ser chique é apenas ter a ousadia de desfrutar! Marcada pela poesia e pela beleza, Sète desvenda o seu passado com uma decoração elegante. Os seus canais no centro da cidade demonstram a incrível epopeia do Canal do Midi e sua notável história no comércio do vinho. Irá perceber muito rapidamente porque é que também é conhecida como  “a pequena Veneza do Languedoc” enquanto a descobre num táxi aquático do estilo de Veneza no Canal Royal.   Durante a sua passagem pelas diferentes pontes, sente-se o cheiro do perfume de Itália. É uma cidade que têm inspirado vários artistas como Paul Valéry, Georges Brassens, Hervé Di Rosa, Ag...
Com vontade de estar tranquilo, de se envolver completamente no património marítimo de Sète? Aproveite o ar puro Assim que chegamos a Sète, sentimo-lo: o mar. Comece pelo Canal Royal. Aqui está, surpresa! Os atuneiros e arrastões estão atracados no meio da cidade, em frente aos restaurantes e aos edifícios do século XIX. Uma imagem que resume bem a cidade. E tenho uma boa notícia, pode visitar um deles: o Louis Nocca. Os seus filhos vão adorar o aquário, o camarote do comandante e descer nos espaços de máquinas. Siga para o cais de Consigne, repare bem no que está à sua volta porque há sempre algo a ver: o vai e vem dos navios de pesca, os barquinhos coloridos, a lota à frente dos pescadores enquanto estes compõem as suas redes. Passeie no dique Saint-...
Em Sète, a água está em todo o lado. O seu porto é o primeiro porto de pesca do mediterrâneo, devido à sua lota, frota de atuneiros e arrastões e à pequena pesca com redes no mar e na lagoa. O porto de pesca ancorado no canal Royal e abrigado pelo antigo porto em Sète é um ponto turístico peculiar que atrai desde sempre os apaixonados pelo mar.  Durante a tarde, a chegada dos arrastões ao porto é um espetáculo mágico que pode ser admirado a partir do dique ou ao longo do passeio da antiga bacia. No centro do antigo porto, a lota de Sète serve a França inteira, Paris, Lyon, Toulouse, Marseille, e fora da França, a Ítalia e a Espanha.  Os 17 arrastões e pequenos pescadores pescam, todos os os dias, dez toneladas de peixes. No total, a lota vende 90 esp...
Hoje estou a descobrir o ambiente da famosa segunda-feira de Saint Louis, a grande festa da cidade de Sète. É segunda-feira! O último dia do Dia de St. Louis, que começou na quinta-feira. Um fim-de-semana muito cheio para mim. Entre os diferentes desfiles onde estão representados todos os distritos, o famoso torneio de bola quadrada, a homenagem aos trabalhadores dos caminhos-de-ferro e o concerto no teatro do mar. Acabamos esta festa com o torneio de pesos pesados! Encontramo-nos de manhã com os nossos amigos na praça da Câmara Municipal, ou como os habitantes de Sète lhe chamam, "Place du Poufre "*. Esperamos pelo famoso macarrão! Jogadores e sétois.e.s comem este prato para ocasiões especiais ou aos domingos com a família, mas especialmente antes dos torneios...
O arquipélago de Thau, um circuito de espaço e tempo.  Todas as eras são encontradas e misturadas no arquipélago de Thau: a Idade Média e a arte barroca, com a Abadia de Valmagne de Villeveyrac ou a Abadia de Saint Félix de Montceau de Gigean, os jardins circulantes de Balaruc-le-Vieux, os séculos Gallo-Romano, com a Villa Loupian e os seus mosaicos do século II, o Grande Siècle, com o Canal du Midi, ou o século XVII, com o farol de Saint-Louis, que trona no final do cais de Sète...