Cais e canais

 
Por alguma razão esta foi apelidada de “Pequena Veneza do Lanquedoc”. Um labirinto de canais atravessa a Sète, garantindo a ligação entre a lagoa de Thau e mar. A água reflete as fachadas coloridas, proporcionando um certo charme à cidade.
 
Conselho: Atravessar os cais a pé é sem dúvida a melhor forma de sucumbir a este cenário atípico. Terá doze pontes à sua espera. Mas não se preocupe, Séte é uma cidade pequena, por isso não se vai perder.

Ou deixe-se levar pela água a bordo de um barco... Poderá participar numa excursão marítima ou alugar um barco apenas para si saiba mais
 
Em Sète, o canal Royal assume-se como Praça da Cidade. Isto deve-se ao facto da cidade ter crescido à volta deste canal e de este local ser ótimo para a apreciar.
Aqui, durante o verão e entre as duas pontes, ocorrem os três torneios populares de justas náuticas desde julho de 1666.
 
No cais Géneral Durant, comummente apelidado de “cais da Marinha”, estão a maior parte dos restaurantes. Estes honram a gastronomia de Sète, os peixes do mediterrâneo e o marisco da lagoa de Thau. O longo cais, os atuneiros de Sète aguardam ansiosamente pela sua saída para poderem pescar o atum-rabilho.
 
Além do canal royal, realçamos o antigo palácio consular construído num estilo art déco que relembra, através das esculturas do seu exterior com cachos de uvas, a importância do negócio do vinho.

A sua arquitetura tem influências orientais, como a sua torre central que evoca uma minarete.
Na verdade, Sète mantém relações estreitas com a África do Norte, mais propriamente com a Argélia, desde o século XIX. O porto de Sète foi o porto de trocas privilegiado no comércio de vinho.

Dica: Deixe o seu carro no estacionamento na entrada Este da cidade. Entre maio e setembro, poderá ir para o centro da cidade de transporte fluvial elétrico.

Os canais são atravessados por várias pontes, algumas são móveis, basculantes ou giratórias e em certas horas permitem a passagem de barcos.

A cidade fica completamente isolada quando as pontes estão abertas, tornando-se, por momentos, uma ilha.